Pular para o conteúdo principal

A roupa nova do rei









Dia 8 de março de 2014 estreia a peça infantil "A roupa nova do rei" com direção de Gil Santana, no Teatro Gil Santana, em Salvador.
Um rei muito vaidoso, só pensa em roupas e desfiles, esquecendo do seu reino e do seu povo. Até que surgem dois malandros muito espertos, disfarçados de costureiros dizendo possuir o mais belo e mágico tecido que existe, que só pode ser visto pelas pessoas inteligentes e capacitadas para suas funções. Todos entram em pânico, pois ninguém consegue ver o tecido, nem o rei. Mas todos fingem que vêem, até o grande desfile, quando uma criança grita em praça pública que o rei está nu.








Postagens mais visitadas deste blog

Publicidade - Amstel

#Amstel#publicidade#tv
Fevereiro 2017 - SP

Programa Com Tudo - Rádio

21 à 25 de Setembro 2015  Registro da semana como apresentador no programa Com Tudo, em Penedo - Alagoas.
"A semana tá começando com novidades! Nas mini-férias de Carlinhos Maia e Lucas Guimarães, a apresentadora Claudia Helena Tavares recebe Lucival Almeida como Apresentador convidado! Quer saber o que tá acontecendo? Sintonize 106, 3 - Farol FM ou acessewww.noticiasvelhochico.com.br e vem com eles, vem Com Tudo! Por Assessoria"

"Claudia Helena Tavares recebe como Apresentador Convidado essa semana o ator Baiano Lucival Almeida! O que você acha do Preconceito? 22 de Setembro começou a Primavera, mas também é dia do Amante, Oi? Dia do amante!!! Quer saber o que tá rolando? Sintoniza 106, 3 - Farol FM ou acessa e www.noticiasvelhochico.com.br"


"Seja paciente em um momento de raiva e escapará de cem dias de tristeza." Claudia Helena Tavares já está no ar acompanhada do seu convidado desta semana Lucival Almeida! Eles estão debatendo sobre Paciência !!!! Sinton…

FIM DA LINHA

O Núcleo de Artes Cênicas do SESI AE Carvalho apresenta "Fim da Linha"


14 – Não recomendado para menores de 14 anos



Um suicídio no trilho do metrô interrompe o fluxo da cidade. Três narrativas se desenrolam a partir deste trágico e, ao mesmo tempo, cotidiano acontecimento. A peça se passa em dois planos: realidade e mitológico. No plano da realidade, uma pergunta feita por uma senhora solitária no metrô instaura uma reflexão: “o que leva um ser humano a fazer uma coisa dessas?”. Personagens socialmente despidos de suas humanidades (dois mendigos e uma mulher de rua esquizofrênica), amigos e parentes do suicida tentam recontar o que poderia ter acontecido. No plano mitológico, um coro grego dialoga com essa história, resgatando, por meio de sua forma, a tragédia esquecida em um mundo onde vida e morte são constantemente banalizados. A peça é uma reflexão sobre a experiência de estar vivo e a origem das nossas tragédias.

Drama, adulto, 70min



Direção: Martha Dias/ Dramaturgia:…